Páginas

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Bons tempos, tempos ruins

Bons tempos, tempos ruins da época em que as professoras dominavam a sala, não precisavam ficar medindo palavras direcionadas aos alunos, com medo de serem processadas com esta frescura de bulling. Tempo em que não sentia medo de aluno.
Bons tempos, tempos ruins do tempo que Conselho Tutelar, era o castigo aplicado por nossos pais.
Bons tempos, tempos ruins do caderno volante que cada dia um aluno era obrigado a escrever todo o conteúdo do dia nele, do que a “tia” passava no quadro.

Bons tempos, tempos ruins dos xingos de “cabeça de bagre” que um grande professor de matemática insistia em nos direcionar, isto era algo normal para os que gostavam e gostam dele ainda hoje. Ele é um grande ser humano.
Bons tempos, tempos ruins da época que os pais ouviam os professores, e não apoiavam as desordens de seus filhos e indo contra os professores como hoje.
Bons tempos, tempos ruins das brincadeiras de adedonha ou adedonha-adedonha stop, com as categorias disputadas com nomes de cidades, atores, carros, novelas, países etc. Brincávamos estudando, porque tínhamos potencial pra isto. Hoje rola funk no celular, namoricos inconseqüentes, etc.
Bons tempos, tempos ruins de quando nossos pais viam nossos boletins com boas notas, e não esboçavam nenhum espanto. Boas notas eram normais, fazíamos apenas nosso dever, mesmo com toda a precariedade em que se estudava e vivia. Hoje, os que tiram boas notas são premiados e recebem até troféus.
Bons tempos, tempos ruins do corredor polonês, eita corredor!
Bons tempos, tempos ruins de ouvir a frase “quando crescer quero ser professor (a)”, e não do que se houve e se vê hoje, professores sendo humilhados por alunos, no fogo cruzado entre a sociedade e o governo. Trabalhando em escolas que são submissas às vontades de pais ignorantes, e criam mecanismos que se adequam ao que melhor convier aos alunos, oprimindo o corpo docente.
Bons tempos, tempos ruins em que aprendíamos nomes de países e bandeiras em figurinhas de chicletes, e pesquisas eram realizadas em bibliotecas. E não havia a internet para eu pesquisar nomes deste ou daquele fulano que visitou minha página social.
Bons tempos, tempos ruins em que não levávamos maçãs para os professores, mas legumes para complementar a pobre merenda que nos era servida. E não como hoje que a alimentação é supervisionada por nutricionistas. E ainda tem gente que reclama.
Bons tempos, tempos ruins em que quando um professor não lecionava, era por motivos de doença não tendo como agente causador; alunos.
Como toda regra tem exceção, dedico este texto a miríade de mauricinhos e patricinhas, chulos vagabundinhos e piriguetes que azucrinam os que querem apenas trabalhar como antigamente.

2 comentários:

  1. Sublime. E eu dedico o texto aos professores que lecionavam por amor e não só por causa das tão famosas notas de reais na conta bancária.

    ResponderExcluir
  2. Só que com o tempo o amor acaba, aí vem a Síndrome de Burnout, etc. E são devorados pelo sistema...

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails