Páginas

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Distribuindo riquezas


Tem gente que me acha seco, tosco, grosseirão, turrão e tudo mais no mesmo sinônimo. Estes que me classificam assim que não me viram hoje como fiquei ao receber uma mensagem de minha esposa que também é professora, me parabenizando pelo dia, apesar de eu ter lecionado apenas um mês. Quase chorei de emoção, como quase chorei também no dia em que levei uma foto do Stephen Hawking e uma aluna disse que era o Shakespeare, e pior, disse que ele ainda está vivo. Ainda bem que o mundo fica – ou deveria – em equilíbrio, e tinham alunos que sabiam a quem me referia, outros garimpavam para saber quem era, além de haver questionamentos e altos papos sobre o universo, alimentos, parada gay etc. O episódio da comparação do Sr. Hawking ao dramaturgo e escritor “Highlander” foi um fato isolado. (rs).
Uma das melhores sensações era ver nos olhos dos alunos quando eles entendiam o que eu passava.
Infelizmente o método de ensino contemporâneo é diferente o da minha época, acho que antes os resultados eram melhores, também, classe dos professores não é unida e nem valorizada como deveria, e acho que os governos, pedabobos e quem elaboram o plano de ensino, devem ter o cérebro no intestino grosso. Mas no afunilamento de tudo, adorei lecionar.
Fica aqui o meu e dos colaboradores deste simplório blog, UM PARABÉNS A CLASSE QUE CORTA UMA MAGRELA PARA PASSAR UM POUCO DE CONHECIMENTO E FORMAR CIDADÃOS E PESSOAS FORMADORAS DE OPINIÃO.

Era uma vez...

 
Antes de Tiburciulandia se tornar a cidade que é, aqui era um reino mequetrefe danado! Nada de encantado, de fadinhas, gnomos, duendes, ou melhor, doentes, sempre existiram doentes.
Havia um pseudo-Merlin que em seu castelinho vivia fazendo boas ações para os coitadinhos que usavam viseiras cobrindo os olhos, a alma e o coração.
Um dia antes duma encabulada-foda pré-tresloucada, ele resolveu tornar a fonte do castelo mágica. Fez uma porção de duas medulas ósseas de Gorgon, 235 g de poeira de supernova, glicose de Minotauro, 2,3-isobutil de esmalte de crianças cósmicas, leite materno de Toten, detergente das esculturas das civilizações Rapa Nui e mais algumas coisinhas. E ao som de blues em Sol aberto, KBOOMMM!!!! Ladies And Gentleman; apresento A FONTE MÁGICA.Todos queriam a H2O da fonte, todos queriam tê-la em casa, dar a seus filhos, lavar suas vasilhas, suas feridas etc.
Só que uma coisa que encabulou vários reinos como também – igualmente como na antiga Inglaterra – pagãos, rebeldes e alguns nômades druídas. Todos sabiam que a água da fonte minava na “Misty Mountain Hop”, e se perguntavam por que diabos o barbichinha branca não montou em seu mandruvá alado e fez a mandinga na nascente?

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Tutti Frutti, Aleluia

“Histeria faz sucesso”. Li numa revistas há muito tempo que foi Little Richard que deu esta receita.
Acredito se em um show untarmos com um pouco de interação com o público, saí na forma um delicioso e recheado espetáculo, digno de elogios. Shows do Queen ao vivo é prova disto.
Sem querer julgar a opção religiosa de alguém – algo que em especial, eu não posso – achei engraçadíssimo este vídeo, que para mim nas “histerias”, mistura o “pequeno” Richard com James Brown (pra quem não sabe aquela dança do também finado M. Jackson foi Ctrl + C do Mr. Brown).
Obrigado pelo envio do vídeo Déa!
Related Posts with Thumbnails